• American Gigolo
  • American Gigolo
  • American Gigolo
  • American Gigolo
  • American Gigolo
  • American Gigolo
  • American Gigolo
  • American Gigolo

Schrader captura uma mudança no cinema americano, da experimentação da década de 1970 para o que viria nos anos 1980, quando o indivíduo se mantém em estado de contemplação passiva, indiferente. O ponto de partida é um jogo centrado num gigolô de Los Angeles, acusado de assassinato. O filme é premonitório em relação ao vazio existencial que assolaria os decadentes anos 80, ilustrado pelos figurinos Armani e pelos sintetizadores do compositor Giorgio Moroder. O longa é o trabalho de Schrader que mais se aproxima da incomunicabilidade do cineasta Robert Bresson, diretor que ele reverencia.

Paul Schrader

Nasceu no Michigan. Começou sua carreira como roteirista de filmes como Taxi Driver (1976), de Martin Scorsese. Estreou na direção em 1978 com Vivendo na corda bamba. Voltou a repetir a parceria com Scorsese nos roteiros de Touro indomável (1980) e A última tentação de Cristo (1988). É diretor de Hardcore – No submundo do sexo (1979), Temporada de caça (1997), entre outros. Sua obra ganha uma retrospectiva nesta edição do Festival do Rio.