• Roma città aperta
  • Roma città aperta
  • Roma città aperta
  • Roma città aperta
  • Roma città aperta
  • Roma città aperta
  • Roma città aperta

Poderoso drama sobre a resistência aos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Deu ao mundo uma linguagem cinematográfica nova, totalmente despida de preciosismos estéticos. Ao ser exibido – e triunfado em Cannes –, levou cineastas, críticos e público à certeza de que algo de novo surgia no cinema. Muito desse sucesso se deveu também à interpretação magnífica de Anna Magnani, que protagonizou uma das cenas mais famosas do cinema, a antológica sequência em que tenta acompanhar o carro que levava seu marido preso pelos alemães e é abatida pelas costas por um dos soldados nazistas.

Roberto Rossellini

Roberto Rossellini

Nasceu em Roma, em 1906, filho de uma dona de casa e do dono de uma construtora. Seu pai construiu o primeiro cinema da capital italiana, o que deu ao pequeno Roberto passe livre para assistir a todos os filmes que quisesse, despertando assim sua paixão pela sétima arte. Começou ainda jovem no cinema, como técnico de som. Iniciou sua carreira como diretor quando o Fascismo já havia tomado o poder na Itália, com o que viria a ser conhecida como sua Trilogia do Fascismo – La nave bianca (1941), Un pilota ritorna (1942) e L'uomo dalla croce (1943). Pouco depois, faria um dos filmes fundadores do Neorrealismo italiano, Roma, cidade aberta (1945), de forte teor antifascista. O longa rodou o mundo, ganhou o Grande Prêmio do Festival de Cannes e é considerado um dos maiores clássicos do cinema. Teve um casamento de sete anos com a atriz Ingrid Bergman, que gerou três filhos, além de seis filmes, como Stromboli (1950), O medo (1954) e Viagem à Itália (1954). Rossellini continuou a fazer cinema e televisão até a sua morte, em 1977, em Roma, vítima de um infarto.