A noite da última segunda-feira foi de muita animação para quem assistiu à sessão do filme Entre Irmãs, no CCLSR - Cine Odeon Net Claro. Este é o quinto longa-metragem do diretor Breno Silveira, que estreou com o sucesso 2 Filhos de Francisco, em 2005. Gravado no estado de Pernambuco e produzido pela Conspiração Filmes, o filme conta a história de duas irmãs que em 1930 são separadas pelo destino. Uma no interior, a outra na cidade grande, elas precisam enfrentar o mundo e seus preconceitos.

A sessão teve a presença de muitos convidados ilustres. Entre eles estavam as protagonistas da trama, Marjorie Estiano e Nanda Costa. “O filme fala da trajetória de duas irmãs e mostra o amadurecimento das meninas se transformando em mulheres. Você acompanha os fatos que vão atravessando suas vidas e as escolhas que vão fazendo”, contou Marjorie. Grande parte do elenco também esteve presente na noite, como Julio Machado, Cyria Coentro, Letícia Colin e Ângelo Antônio.

O diretor Breno Silveira também contou um pouco sobre o filme: “Esse filme é um épico, tem um tamanho muito grande, é muito bonito, muito emocionante. Mas, principalmente, é um filme visto através dos olhares dessas duas irmãs, então é um filme com um olhar feminino, um filme que aborda questões importantes. Aborda empoderamento feminino, já naquela época, aborda muitas coisas que estão muito evidentes na nossa sociedade. Ele fala de todas as formas de amor, é isso.”

Na sala completamente lotada, Ilda Santiago, diretora do Festival do Rio, apresentou a sessão e falou da alegria em ver os cinemas lotados durante o Festival. “É maravilhoso ver o cinema brasileiro reverenciando seus talentos. E o Breno sempre consegue fazer personagens apaixonantes”, disse ela. Breno falou ainda da importância do Festival para a cidade do Rio de Janeiro em um momento político tão complexo como este, quando a cultura enfrenta inúmeros desafios para sua resistência, e fez questão de chamar ao palco todo o elenco e equipe técnica, dizendo que é preciso contar com muitos profissionais para se fazer um filme dessa magnitude.

Texto: Laura Caldas

Foto: Rogerio Resende/R2



Voltar