Por: Mariana Isis

A Première Brasil: Retratos exibiu nesta sexta-feira (09/11) o documentário Angel Vianna – voando com os pés no chão, que aborda a vida da mestra e bailarina mineira que pensa, até hoje, o movimento corporal nas artes. O filme conta também com inserções coreográficas em que bailarinos dramatizam situações ou épocas marcantes para Angel.

Após a exibição, houve um debate mediado por Maria Ignez, acompanhado da diretora e roteirista Cristina Leal, o corroteirista Jorge Eduardo Figueiredo, a bailarina e professora Maria Alice Pope, o bailarino Alexandre Franco e a própria Angel Vianna. Maria Ignez estudou na escola de Angel Vianna a fim de realizar um caminho da dança pela educação e abriu a mesa com a leitura de um texto por ela mesma escrito em homenagem à mestra. 

Termos como “corpo-terra”, “transformação”, “experiência”, “encontro”, “amor” fizeram parte do vocabulário usado pela mediadora a fim de descrever Angel. Maria Alice elogiou o título do filme: “A Angel tem essa capacidade, que acho que não é pra muitos – é pra muito poucos – que é a de aterrar e voar”; considerou ainda esse balanço entre voo e aterramento como um movimento que mesmo subverteu a dança e, mais ainda, o movimento.

Angel, muito emocionada, agradeceu muito à presença da plateia e, naturalmente, à equipe realizadora e Cristina Leal respondeu à homenageada que, brincadeiras à parte, a considera uma guru de grande sabedoria. “Pra alguém apaixonante, um filme apaixonado! (…) É um documentário dinâmico, que então privilegia o movimento”, completou Jorge Eduardo. Alexandre Franco disse ainda que “Cristina captou na Angel a diversidade, o que é acreditar nisso e se encantar por isso”.

Angel agradeceu aos bailarinos que dançam no documentário: “Em cada um, um belo  trabalho corporal!”. No Rio de Janeiro foi onde pôde encontrar seu caminho e “entender um pouco esse grande mestre, que é o corpo de cada um. Então eu quero dizer a importância de ser gente: o corpo, o que é? É o que você tem de melhor e tem de respeitá-lo. porque é também o seu grande filósofo. É ele que te ensina tudo o que você entende. Não adianta querer procurar outro: é você mesmo. Os que te ajudam é para te ajudar a perceber o grandioso corpo que pensa, que sente, que chora e que torna a gente”, encerrou a mestra Angel, mostrando sua faceta filosófica.



Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA