“Eu tento fazer uma série de filmes sobre a vida contemporânea”, diz Frederick Wiseman, um dos maiores nomes da história do documentário, ao tentar definir o seu cinema. “Escolhi fazer filmes em instituições norte-americanas e francesas, mas que existem em todos os lugares, de formas diferentes. A polícia no Brasil é diferente da polícia nos EUA, mas todo país tem polícia, escolas, hospitais e exército. Então tento mostrar a vida contemporânea através dessas instituições”.

Em Berkeley é seu filme mais recente e se passa na universidade de Berkeley, na Califórnia, uma das maiores dos Estados Unidos, ao lado de Harvard. O filme documenta a luta do conselho diretor da faculdade com problemas financeiros, que afetam todo o sistema educacional do país. “Quando comecei, sabia que isso estava acontecendo e que seria importante para o filme”, conta Wiseman. “Um dos principais temas é a sobrevivência da integridade e da qualidade da universidade”.

O retrato da faculdade é um espelho do que acontece nos EUA nesse momento. “O mesmo problema existe na maior parte das universidades públicas norte-americanas e nem todas conseguirão superá-lo”.

Em Berkeley tem sua primeira sessão no Festival do Rio hoje (2), às 20h no Estação Rio 3, dentro da mostra Panorama: Grandes Documentaristas. A reprise acontece no dia 9, às 13h45 no Instituto Moreira Salles.




Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA