Depois de Maria Bethânia e Nana Caymmi, agora é a vez do samba. O documentarista suíço Georges Gachot (Maria Bethânia, música é perfume; Rio Sonata, Nana Caymmi) passou pelo Festival do Rio para apresentar o longa O samba, com a participação deMartinho da Vila e da escola de samba Vila Isabel.

A vontade de debruçar-se sobre esse tema surgiu em 2011, quando Gachot foi ao sambódromo pela primeira vez. “Eu fiquei na dispersão, junto com o povo. Vi pessoas chorando, torcendo, se emocionando ao ver sua escola entrar. Foi aí que entendi a importância do samba para a história e identidade do Brasil e quis retratar algo além do produto comercial exibido mundo afora”, diz ele.

Segundo o diretor, alguns brasileiros que assistiram ao filme ficaram surpresos ao ver imagens e ter informações sobre o samba que eles próprios desconheciam. “Eu escolhi pequenos detalhes e um diretor brasileiro talvez fizesse outras escolhas. Fiz uma edição bem francesa. Tanto que um espectador me abordou após a sessão e me comparou com Levi Strauss”, conta ele, entre risos. 

Por Sara Stopazzolli



Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA