Depois de Maria Bethânia e Nana Caymmi, agora é a vez do samba. O documentarista suíço Georges Gachot (Maria Bethânia, música é perfume; Rio Sonata, Nana Caymmi) passou pelo Festival do Rio para apresentar o longa O samba, com a participação deMartinho da Vila e da escola de samba Vila Isabel.

A vontade de debruçar-se sobre esse tema surgiu em 2011, quando Gachot foi ao sambódromo pela primeira vez. “Eu fiquei na dispersão, junto com o povo. Vi pessoas chorando, torcendo, se emocionando ao ver sua escola entrar. Foi aí que entendi a importância do samba para a história e identidade do Brasil e quis retratar algo além do produto comercial exibido mundo afora”, diz ele.

Segundo o diretor, alguns brasileiros que assistiram ao filme ficaram surpresos ao ver imagens e ter informações sobre o samba que eles próprios desconheciam. “Eu escolhi pequenos detalhes e um diretor brasileiro talvez fizesse outras escolhas. Fiz uma edição bem francesa. Tanto que um espectador me abordou após a sessão e me comparou com Levi Strauss”, conta ele, entre risos. 

Por Sara Stopazzolli



Voltar