Nesta sexta-feira (13), foi exibido no BNDES o documentário A vida extra-ordiária de Tarso de Castro. O filme conta a história do jornalista idealizador de O Pasquim, Tarso de Castro. Após a exibição ocorreu um debate com os diretores Leo Garcia e Zeca Brito, e a produtora Leticia Friedrich.

O filme, que foi praticamente todo filmado com uma câmera só (apenas duas cenas tinham duas câmeras), traz os entrevistados respondendo às perguntas no celular, como uma conversa natural, “a gente entrevistava pelo telefone para poder tirar esse formalismo e tentar chegar a informações mais puras. O fato da pessoa ter que me olhar enquanto ela está falando faz com que ela estabeleça uma relação física comigo”, explica Zeca. Para ele, dividir o trabalho de direção trouxe um grande aprendizado, “foi uma troca”, afirmou.

A produtora Letícia Friedrich ressaltou que foi uma produção de baixo orçamento, e para isso foi necessária uma equipe de talento. “Foi um trabalho criativo conjunto. A gente estava sempre se ajudando”, lembrou.


Texto de Milena Terra

Foto de Jonathan Menezes



Voltar