O ex-integrante do Casseta & Planeta e diretor Cláudio Manoel chega em dose dupla ao Festival do Rio 2018 com os documentários “Tá rindo de quê? – Humor e ditadura” e “Rindo à toa: humor sem limites”, ambos dirigidos em parceria com Alvaro Campos e Alê Braga. Os dois filmes fazem parte da seleção da Première Brasil: Retratos Longa.

Nos dias atuais, em que o politicamente correto baliza o humor e algumas piadas do passado tornaram-se inviáveis, as duas produções abordam momentos históricos e sua influência na vida dos profissionais do gênero: o período de forte censura nos anos de ditadura militar e a liberdade que explodiu após a abertura, nos primeiros anos de retomada da democracia. 

Em “Tá rindo de quê?” grandes nomes, como Agildo Ribeiro, Jaguar, a turma do Asdrúbal Trouxe o Trombone, entre outros, relembram as artimanhas utilizadas para se fazer humor e política nos meios de comunicação em massa, driblar a marcação dura da censura e os riscos iminentes de prisão. O documentário exalta a importância da atuação corajosa de grandes comediantes da época, a exemplo de Chico Anysio, Jô Soares, Dercy Gonçalves, Carlos Alberto de Nóbrega e Ronald Golias.

Já em “Rindo à toa”, o período abordado é o da explosão a piada sem freios, fruto da euforia vivida com o fim da censura e a derrocada da ditadura. Marisa Orth, Miguel Falabella, Casseta & Planeta, Laerte, Angeli e outros nomes do humor dos anos 1980 aos 2000 falam sobre a sensação de liberdade dos anos democráticos e as consequências desse momento na comédia nacional. Vale a pena rir de novo!




Voltar