Texto de Felipe Ribeiro

Ao som do fado, Praça Paris começa numa serena paisagem de Portugal, observada em planos abertos, e estabelece o olhar estrangeiro que será lançado sobre o Brasil através de Camila (Joana de Verona), uma jovem psicóloga branca.

Ela mergulha no Rio de Janeiro e inicia uma pesquisa com Glória (Grace Passô), mulher negra do Morro da Providência cujo passado é de violência e abusos. A desigualdade social e de vivências entre as duas é a base de tudo. Para além da cor da pele, seus cotidianos montados em paralelo constroem a diferença: Camila passa os dias com o namorado, Glória visita o irmão na cadeia. Não por acaso, o encontro ameno entre elas só é possível na UERJ, o meio-termo geográfico entre zona sul e Morro da Providência. A cidade tem papel importante na paranoia crescente na trama.

Praça Paris desenvolve com equilíbrio a história das duas personagens, deixando o espectador interessado em ambas. Por isso mesmo, soa estranho que, ao filmar o sexo, o longa de Lúcia Murat se desequilibre no esmero. Enquanto o casal branco e europeu, cujos corpos atendem uma ideia de padrão de beleza, é visto com mais nitidez, o casal negro parece esconder seus corpos tidos como fora da norma.

Contudo, o roteiro coeso e a direção segura fazem com que o filme transite, com naturalidade, do drama ao suspense. Nesse trânsito destaca-se a precisão do ritmo mais acelerado da montagem. O gesto de inserir vídeos gravados por celulares, que registram um cotidiano de violência carioca, é potente e permite que o espectador reflita sobre o constantemente disponível fluxo de imagens no mundo contemporâneo. Além disso, dentro da estrutura do filme, tal escolha funciona também para gerar medo em Camila, a portuguesa.

Seus pesadelos são lançados à tela e os closes em Glória, sua paciente, acentuam um incômodo no espectador e também na psicóloga. Camila, ao se amedrontar, perde sua capacidade de exercer empatia e dá a ver seu racismo. Impossível que Praça Paris tivesse outro desfecho. 



Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA