Texto de Francisco Noronha

Num tempo em que os conceitos de ficção e documentário são permanente e deliberadamente con-fundidos no cinema contemporâneo, o filme de Eduardo Ades e Marcus Fernando assume-se como um documentário no sentido mais tradicional do termo: o de contar uma história.

E fá-lo sabendo manter o interesse do espectador, ao que ajuda a utilização intra-diegética da banda-sonora e, sobretudo, o material de footage reunido, alternando excertos de filmes (Nosferatu no Brasil, 1970, de Ivan Cardoso, e Terror da Vermelha, 1972, realizado pelo próprio) com escritos, fotografias (o punctum barthesiano impedindo-as de cair na banalidade) e entrevistas no presente. Contudo, em relação a estas, é altamente questionável a opção visual pela utilização do grão e da distorção cromática, o que as situa algures entre uma nostalgia pueril, forçada, e um kitsch grosseiro.

O título do filme carrega a sombra que nunca deixou de estar presente na vida de Torquato: o medo e desejo da finitude, a morte. Paradigmaticamente, o filme inicia-se pelo fim: o suicídio de Torquato (no mesmo dia do seu aniversário, em nova simbólica sobreposição entre origem e destino), que dá o mote para a dimensão espectral sempre-presente. Dessa forma, induzindo o espectador a interrogar-se, na sequência de um verso que se lhe ouvira instantes antes, se Torquato terá sentido, em algum momento, que estava a “trair” a sua poesia.

Se, formalmente, enquanto documentário convencional, o filme tem a virtude, como já referido, de saber contar uma história, não deixa, porém, de estar preso a uma excessiva linearidade (contrastante com o carácter absolutamente desalinhado do seu protagonista). O problema aí não é – insista-se – narrativo, mas, sim, de acuidade. Apenas dois exemplos. O primeiro: por que Torquato, inicialmente um forte opositor da vaga tropicalista, acaba por abraçá-la? O segundo exemplo, porém, é ainda mais problemático, e acaba mesmo por diminuir o potencial do objecto: num filme em que o tema da Morte está tão presente, é como se esta o consumisse, impedindo-o de (sobre)viver para a posteridade. E isso porque em nenhum momento os cineastas procuram colocar a obra de Torquato em diálogo com o presente ou, pelo menos, com a cultura brasileira nos tempos que se seguiram ao seu desaparecimento, abdicando de oferecer uma real noção do seu legado. Neste sentido, é como se o próprio filme “morresse”, se encapsulasse, se encerrasse a si e em si mesmo. 

Ainda assim, a grande valia talvez seja uma que deixaria Torquato Neto feliz: a de mostrar como, de facto, a poesia está liberta da literatura, de como ela se revela em toda a sua expressão, da mais nobre à mais comezinha, da mais elaborada à mais instintiva ou primitiva. De como ela, poesia, se alimenta insaciavelmente, qual Nosferatu, das coisas mais simples e mais complexas do quotidiano. A poesia toda que há na vida como a que há na… morte, a mort au travail que as fotografias do seu rosto evocam. 




Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA