Texto de Alexandra João Martins

“Se te tirar uma foto, já não és a mesma pessoa”, diz uma professora francesa a um visitante coreano, num restaurante de Cannes, sul de França. Eis a questão central de A Câmara de Claire. O realizador coreano Hong Sang-soo recupera esta velha ideia de que a fotografia, e o cinema, por extensão, como que roubam parte da alma das pessoas. E se não roubam, pelo menos, operam-na. 

É por isso mesmo que So Wansoo, o visitante, depois de retratado por esta professora francesa, vai confessar à sua companheira que já não a ama. É por isso mesmo que Manhee, uma produtora de cinema também fotografada por Claire, segue confiante mesmo depois de ter sido despedida. 

Preenchido de referências metalinguísticas, o filme traz personagens que trabalham na indústria cinematográfica. A excepção é justamente Claire, a professora, e isso não é acaso, dado que parece ser a única pessoa que, de forma amadora, recorta e captura a realidade para lhe dar um novo rumo. Não deixa de ser irónico que uma personagem externa à indústria cumpra uma vocação que é a do próprio cinema.  

O filme recupera ainda outros elementos presentes na restante obra do cineasta: o puro acaso como motor para o cruzamento das micro-histórias, a praia como lugar de reflexão, os restaurantes, o álcool, a boémia e os cigarros como lugar de desestabilização. Tudo isto banhado com amores e desamores e uma dose de ironia singela.

No plano formal, a paleta cromática pastel, os planos laterais conjuntos e o zoom, que revelam o que o som anteriormente indiciara, revelam o estilo imperturbável de Sang-soo. Por tudo isto, há quem o acuse de fazer sempre o mesmo filme. 

Mas não será esse modo único, ainda que diferencial, de criar que faz os grandes artistas? Independentemente da resposta, A Câmara de Claire inscreve-se, de forma coerente, num processo de depuração estilística característico do realizador. Na história do cinema, saberemos que um filme de Sang-soo é um Sang-soo, como, hoje, precisamos de um só plano para reconhecer um Ozu.





Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA