Buenos Aires, 1977. Francisco Sanctis, um funcionário do governo ditatorial da Argentina, leva uma vida tranquila em seu posto administrativo até que uma antiga colega de faculdade ressurge, pedindo que ele libere a publicação de um poema de sua autoria. No entanto, o poema era apenas um pretexto para que a mulher entregasse perigosas informações a Francisco que o levam à noite mais longa de sua vida.

O enredo do filme A longa noite de Francisco de Sanctis, dirigido por Andrea Testa e Francisco Marquez e baseado no romance homônimo de Humberto Constantini, se passa durante o periodo da ditadura militar argentina e foi selecionado para a mostra Um Certo Olhar no Festival de Cannes 2016 e para o BAFICI 2016. Agora, o filme faz parte da programação especial de Cinema e Direitos Humanos do Festival do Rio 2016. E tem sessões na segunda, dia 10, no Estação NET Botafogo 1 (21h45m); na terça, dia 11, no Estação NET Ipanema 1 (17h50m); na quarta, dia 12, no Reserva Cultural Niterói 4 (17h30m) e na quinta, dia 13 no Roxy 3 (16h). Nesta segunda, o filme argentine sera apresentado pela diretora do Festival do Rio, Ilda Santiago.

A Anistia Internacional e o Festival do Rio realizam pela terceira vez uma programação conjunta de filmes com temáticas relacionadas aos direitos humanos. Este ano, 28 títulos integram a mostra Cinema e Direitos Humanos oferecendo uma ampla diversidade de temas como direitos das mulheres, das pessoas refugiadas, sistema penitenciário, discriminação e direito à manifestação. Anistia Internacional é um movimento global com mais de 7 milhões de apoiadores comprometidos com a promoção e a proteção dos direitos humanos, em mais de 150 países.

Entre os destaques de 2016, além do longa de ficção argentino, estão os documentários Maya Angelou, e ainda resisto, sobre a vida da escritora, poetisa e ativista afro-americana, e A revolução não será televisionada, sobre a resistência da juventude no Senegal, entre outros.

Saiba mais sobre o filme argentino:

A longa noite de Francisco Sanctis (La larga noche de Francisco Sanctis), direção de Andrea Testa e Francisco Marquez.

Buenos Aires, 1977. Durante a ditadura militar argentina - a mais sanguinária da América Latina -, Francisco Sanctis recebe a informação de que duas pessoas foram condenadas a "desaparecer". Mesmo sem quaisquer laços políticos, este pacato homem de meia idade fica atordoado pela urgência da situação. Naquela noite, ele deverá tomar uma decisão crucial: se colocar ou não em risco para salvar a vida de outras pessoas. Uma adaptação do romance homônimo de Humberto Costantini. Selecionado para a mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes e BAFICI 2016.

http://www.festivaldorio.com.br/br/filmes/la-larga-noche-de-francisco-sanctis




Voltar