Por Alex França (Talent Press Rio)

A história da humanidade é marcada pelos deslocamentos humanos, que podem ocorrer por diferentes razões. Perseguições políticas, busca por melhores condições de vida, de estudo e de trabalho têm levado milhares de pessoas a viver a experiência da diáspora. Em Comboio de sal e açúcar (2016), de Licínio Azevedo, cuja história se passa em 1988, durante a guerra civil em Moçambique, o principal motivo para a maioria das personagens embarcar em uma viagem arriscada é o reencontro com a paz. O filme é uma adaptação do romance homônimo escrito pelo próprio diretor, nascido no Brasil e radicado em Moçambique. Jornalista de formação, ele escreveu o livro a partir de suas pesquisas sobre a história do país, de sua vivência como moçambicano naturalizado e da recolha de relatos da população.

A guerra civil, que começou dois anos depois da conquista da independência (1975), seguiu até o ano de 1992, quando foi assinado o Acordo de Paz. Vale lembrar que, antes dela, Moçambique já havia vivido outro longo conflito, dessa vez contra Portugal, entre 1964 e 1974, na luta pela retomada de sua autonomia (durante mais de quatro séculos, Moçambique foi uma colônia portuguesa). As guerras trouxeram entre suas consequências uma constante instabilidade política para o país.

A principal justificativa para a guerra civil moçambicana foi a disputa pelo controle político do país entre os integrantes da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) – que se tornou partido político depois da independência e assumiu o governo, sob o comando de Samora Machel –, e a Renamo (Resistência Nacional de Moçambique), grupo dissidente formado principalmente por ex-integrantes da Frelimo. Os dois lados do conflito receberam financiamento externo e estavam alicerçados por motivações ideológicas e econômicas distintas: enquanto a Frelimo defendia o socialismo e tinha apoio dos países de mesmo bloco, como a antiga União Soviética, a Renamo defendia o capitalismo e teve apoio de países como África do Sul, Rodésia (atual Zimbábue) e Estados Unidos (o que vincula a guerra civil moçambicana ao contexto mais amplo da Guerra Fria).

No filme, o trem, que parte de Nampula carregando toneladas de sal, leva também um grupo de pessoas em busca de um destino menos violento e mais próspero. Durante a guerra, na região norte do país, as plantações de açúcar foram destruídas, o que gerou a escassez do produto, tornando-o muito caro. A estratégia adotada pela população para reverter tal problema é viajar para Malauí, país fronteiriço, e lá trocar sal pelo açúcar. O grande desafio dessa viagem é conseguir chegar ao destino com segurança e escapar dos possíveis ataques dos “bandidos armados”, expressão que faz referência aos integrantes da Renamo. Por isso, o comboio é escoltado por um grupo de soldados do Exército, sob o comando do enigmático capitão Sete Maneiras.

Pela primeira vez, Licínio Azevedo investe em um filme de guerra, inspirado nos clássicos westerns norte-americanos. A presença do trem, que assume uma função importante na narrativa, é uma das características do gênero, assim como a viagem em si, e o duelo entre dois homens pela conquista de uma mulher, no clássico confronto entre o bem e o mal (com a vitória do herói no fim). O filme também traz uma dose de romance ao retratar o amor entre Taiar (Matamba Joaquim), um dos militares responsáveis pela escolta do comboio, e Rosa (Melanie de Vales Rafael), enfermeira encarregada de trabalhar em Cuamba.

A narrativa também apresenta tensão, conflitos e ataques armados, com feridos e mortos, típicos dos filmes de guerra, mas não carrega nos recorrentes estereótipos identificados em outros filmes, principalmente em produções hollywoodianas cuja temática envolva guerra na África, como Diamante de Sangue, O último rei da Escócia, Tiros em Ruanda, e O senhor das armas, entre outros. Segundo o escritor e cineasta nigeriano Ngugi Wa Thiong'o, essas narrativas representam um discurso “afropessimista”, isto é, enfatizam apenas características negativas da África e dos africanos, e costumam ir ao encontro da expectativa de boa parte do público e da crítica ocidental por narrativas que vinculem o continente africano apenas à pobreza, fome, miséria, guerras e doenças.

Não há em Comboio de sal e açúcar apelo ao excesso de sangue e mortes. Tudo é apresentado de forma sutil. Um dos momentos mais comoventes mostra o nascimento de uma criança. A mãe, Amélia, é cercada por um grupo de mulheres, criando um círculo de proteção. O bebê nasce enquanto o trem é alvejado por tiros, um dos muitos ataques que sofre ao longo da história.

O respeito à terra em que os antepassados são sepultados também é uma característica recorrente da sociedade moçambicana presente no filme. Os parentes mortos costumam ser enterrados nas terras das próprias famílias – de preferência, próximas às árvores. Por isso esse apego à terra e o medo de abandoná-la. Muitos acreditam que, quando se afastam, ficam propícios a acontecimentos ruins. Em uma das cenas, por exemplo, uma criança chora, e os pais justificam a provável “doença” do filho pelo fato de ele ter nascido longe das terras dos familiares. Eles acreditam que a criança só poderia ser curada com a ajuda de um curandeiro. Rosa, por outro lado, defende a importância e eficiência da medicina “moderna”. Esse episódio enriquece a perspectiva do filme, apresentando diferentes posicionamentos dos moçambicanos em relação à tradição e à modernidade. 

Fazer um filme africano de guerra não deixa de ser algo ousado e desafiador. Países africanos como Moçambique não costumam receber apoio dos governos locais para suas produções. E, se fazer um longa-metragem já costuma ser caro, filmes de guerra são ainda mais, pela necessidade de efeitos especiais, maior tempo de ensaio e filmagem, maior contingente de atores e figurantes etc. O filme é resultado de uma coprodução entre Moçambique, França, Brasil, África do Sul e Angola, parcerias fundamentais para a viabilização do projeto.

Comboio de sal e açúcar explora o conflito entre o bem e o mal com algumas nuances. Se, por um lado, Taiar e Salomão são aliados contra os chamados “bandidos armados”, por outro, são rivais tanto pelos posicionamentos morais quanto pela disputa por Rosa. Salomão tem uma visão machista e agressiva em relação às mulheres. Acredita que, por ser homem e tenente do Exército, pode possuir qualquer menina ou mulher. Inicialmente, persegue e tenta violentar Rosa, protegida por Taiar, mas a esposa de um dos passageiros não tem a mesma sorte. Ela é forçada a abandonar o marido e o filho para atender aos desejos do tenente.

A narrativa segue uma estrutura linear que articula diferentes situações, temas e conflitos: a guerra, o trajeto do trem, o cenário de destruição pelas balas, bombas e minas terrestres (em contraposição à beleza das montanhas da região norte de Moçambique), os relatos e experiências das personagens em trânsito, o romance entre Rosa e Taiar.  O espectador acompanha a viagem como se fosse um dos passageiros, na expectativa de chegar ao destino com segurança. A constante ameaça dos possíveis ataques armados cria diversos momentos de tensão, auxiliados pela sucinta e eficiente trilha sonora.

As escolhas cromáticas dos planos, sob a direção de fotografia de Frédéric Serve, dão ao filme um tom terroso, pela predominância do marrom, no solo, e do bege, nos galhos. O verde dos uniformes militares e das árvores da região ajuda a inserir o filme em um ambiente campestre. As imagens também investem em escalas de cores mais frias, com o uso de tons azulados nas cenas iniciais, em que os passageiros aguardam a partida do trem sentados no chão da estação, com expressões de cansaço e preocupação, assim como nos uniformes dos funcionários da empresa ferroviária e nas cenas noturnas, quando o trem está parado e a ameaça de um ataque parece maior.

Assistir a Comboio de sal e açúcar é embarcar em uma viagempara um país tão próximo aos brasileiros, mas ainda desconhecido por muitos. É adentrar de forma cuidadosa em um universo sociocultural diverso e rico. É sentir um pouco na pele o que significa se deslocar, forçosamente, para sobreviver.




Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA