por Ricardo Vieira Lisboa

É um excerto do Livro do Desassossego de Fernando Pessoa que dá o título ao filme de Flávia Castro; excerto que é lido mais de uma vez pelas personagens: “meu passado/não sei quem o viveu. Se eu mesmo fui,/está confusamente deslembrado/e logo em mim enclausurado fui”. Só que o caos identitário pessoano (nas suas múltiplas encarnações heteronímicas e nos seus desencontros fingidos) choca com a lisura quase anônima de Deslembro.

Neste filme tudo está perfeitamente polido, não há superfícies irregulares, não há desvios nem desleixos. E diante disso a minha mão escorrega, não tem por onde se agarrar: é um filme impecável e por isso lúbrico, esquivo. Só que esse lustro não é bem o de pedra preciosa, mas, antes, o de estátua de bronze em lugar de passagem, por onde todas as mãos afagam o pé do monumento até este ficar dourado. É a primeira longa-metragem de ficção da realizadora e demorou quase uma década a ser produzida. Nesse processo (entre laboratórios de escrita, coproduções internacionais, e demais demandas e demãos) qualquer espontaneidade de obra de estreia se esvaiu na segurança de um retrato doce e íntimo, é certo, mas segundo o olhar de um taxidermista ou de um pintor de naturezas mortas.

Mais triste pelo facto de se perceber que muito daquilo que é a história do filme é profundamente pessoal: um despertar para a idade adulta de uma filha de pai vítima da ditadura militar brasileira e de padrasto militante da resistência chilena. Depois da Diário de Uma Busca (2010), a realizadora prossegue o seu mapeamento afectivo das sequelas familiares que os espíritos revolucionários da esquerda dos anos 60 e 70 deixaram junto dos seus entes queridos. Raízes culturais estilhaçadas por diferentes nacionalidades, hábitos e línguas. Isso é o que de mais belo há em Deslembro: a verdade que se descobre no processo de “adaptação” de uma adolescente a um novo país, segundo uma percepção sensorial feita de chuva, areia, cheiro a livros, baseados, sexo... Verdade essa enclausurada num perfeito diorama histórico.




Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA