Texto: Bruna Velon: 

Fotos: Christian Rodrigues/R2

“Estou muito emocionada por estrear este filme no Festival do Rio. Eu sou uma carioca apaixonada e acho que o Rio merece, neste momento tão difícil, que a gente prestigie a cidade. É uma alegria também fazer um filme baseado na história de Garcia Rosa”, disse a atriz Claudia Abreu, protagonista do filme Berenice Procura, no palco do Estação Net Botafogo, na noite de sábado. 

“Estrear um filme neste momento é muito importante. Nós artistas não vamos nos calar diante desta onda conservadora no país. Nenhum projeto de poder perigoso e moralista vai nos calar, vai calar a cultura, que é a nossa alma, a alma deste país”, disse a atriz, que foi ovacionada pela plateia que lotava a sala.

O filme, dirigido por Allan Fiterman, narra a história de Berenice, uma taxista. Ela é consumida pela profissão e o pouco tempo que lhe sobra precisa ser dividido entre a criação do filho Thiago, um adolescente descobrindo sua sexualidade, e sua conturbada relação com o marido Domingos, repórter policial. As marcas do relacionamento desgastado, arruinado pelos rompantes violentos do marido, apagaram sua feminilidade e a levaram a um grande vazio existencial. O assassinato de Isabelle, uma linda transgênero, na praia de Copacabana, acende seu lado investigativo e transforma sua vida.

No elenco, Cláudia Abreu, Eduardo Moscovis, Vera Holtz, Valentina Sampaio e Emílio Dantas. Próximas sessões: segunda (09/10), às 16h15, no Roxy 2; e quarta (11/10) às 21h no Reserva Cultural Niterói 2.



Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA