Nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, Leandra Medeiros Cerezo, conhecida apenas por Lea T., foi a primeira trans a participar oficialmente do evento, apresentado toda a delegação de 465 atletas brasileiros. Filha do craque do futebol, Toninho Cerezo, ela brilhou no mesmo gramado do Maracanã, onde seu pai jogou.

Lea é o rosto de grifes internacionais como Givenchy, Benetton e Redken, capa de centenas de revistas e ainda foi eleita pela Forbes uma das mulheres mais poderosas da moda italiana, ícone de tendências ao lado de Miuccia Prada.

Hoje (14/10), como parte do Festival do Rio, ela participa de um debate às 18h, na biblioteca do Centro Cultural Banco do Brasil. Participam ainda da mesa redonda,o carnavalesco Milton Cunha e da ativista e atriz Dandara Vital. A moderação será do jornalista Gilberto Scofield. A entrada é gratuita, com distribuição de senhas meia hora antes.

Desde o ano passado, o festival homenageia um nome de destaque no universo LGBTQ brasileiro através do Prêmio Suzy Capó – Personalidade Felix do Ano. O prêmio leva o nome de Suzy Capó, jornalista e produtora cultural morta em 2015, militante histórica da luta contra o preconceito e a discriminação de orientação sexual e de gêneros. Lea T. vem iluminar o debate sobre transfobia no festival, uma causa urgente num país campeão em ataques à comunidade LGBT.

Em sua segunda edição, a Lea T, um dos nomes mais celebrados do cenário LGBTQ brasileiro em 2016, será agraciada por sua imensa contribuição à luta pela visibilidade trans. O prêmio será entregue no domingo pelas mãos de Tino Monetti.




Voltar