Por: Álvaro André Zeini Cruz

Silêncio: “ausência completa de som ou de ruído; calada”. A escolha pelo plural – Los Silêncios – não é aleatória na intitulação do filme de Beatriz Seigner; os silêncios que constituem a obra são díspares e diversos. No som, por exemplo, há uma contração da fala e da música em prol dos ruídos da noite, dos insetos, sobretudo. Na encenação, um silêncio espacial é dado pelo isolamento da ilha onde a história se passa, bem como pelo esporádico alagamento das palafitas, que dissolve parte das arquiteturas e dos corpos. Na narrativa, há o silêncio das autoridades e do poder diante dos conflitos armados que cercam a tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. Há também o silêncio da menina Núria, paradoxal, uma vez que, embora calada, ela permanece um estrondo imagético.

Núria chega à ilha com a mãe, Amparo (Marleyda Soto), e o irmão caçula, Fabio. Lá, eles reencontram o pai, Adão (Enrique Diaz). Mas nem tudo é o que parece, algo que o filme revela sorrateiramente. A menina é o cerne desses silêncios, a começar pela influência que exerce sobre a câmera e sobre os planos. Núria encara demoradamente o mundo a sua volta e esse mundo parece devolver-se no mesmo ritmo.

Assim, o plano, enquanto unidade temporal, é silencioso, porque os cortes são econômicos e de uma precisão cirúrgica, que omite qualquer tilintar de lâmina. O mesmo vale para a espacialidade, pois, ao evitar as engrenagens de locomoção, o olhar não vasculha, se fixa e espera os desdobramentos do mundo, seja ele físico ou metafísico.

É nesse registro do mundo que os silêncios são testados. Núria, em certa cena, rasga a noite mal iluminada. A garota calça tênis fluorescentes, que surgem como uma fagulha em meio ao breu. Adiante, numa reunião sobre os lutos e as lutas, os figurinos brilham para o clímax emocional do filme. Finalmente, os adereços e a pintura indígena reluzem num ritual sobre as águas em que já não existe espaço além dos corpos. 

As escolhas de Seigner para compor esse mundo espiritual remetem a filmografias distantes, como a de Apichatpong e Kiyoshi Kurosawa. Mas esse contraste entre corpos reluzentes e espaços sombrios, evoca outro título, também distante, mas também sobre infância, guerra e morte: O túmulo dos vagalumes, animação japonesa de Isao Takahata, de 1988. Pois é disso que se trata: corpúsculos luminosos que brilham e zumbem contra a escuridão silenciosa que, historicamente, cerca os pobres da América Latina.




Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA