O Prêmio Felix chega a sua quinta edição no Festival do Rio prestigiando as produções com a temática LGBTQ sob o olhar crítico de um júri especializado e de um espectador atento às discussões relativas à diversidade de gênero. Algumas produções espalhadas pelas mostras do Festival concorrem ao Prêmio Félix de melhor filme de ficção e ao de melhor documentário, e trazem a diversidade como debate no universo audiovisual. Filmes produzidos em parceria de países como Brasil/Cuba, Brasil/India, Reino Unido/Sri Lanka e França/Alemanha são alguns dos  concorrentes da categoria, que ainda abrange produções da Espanha, Estados Unidos entre outros.

Confira a lista dos concorrentes ao Prêmio Felix 2018:

Première Brasil

Diamantino, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt
El último país, de Gretel Marín Palacio
Gopi, de Viviane D'Avilla e Paulo Dimantas (codireção)
O órfão, de Carolina Markowicz
Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diogenes
Ilha, de Ary Rosa e Glenda Nicácio
Invasão drag, de Rafael Ribeiro
Jéssika, de Galba Gogóia
Nomes que importam, de Muriel Alves e Angela Donini
O mundo é redondo pra ninguém se esconder nos cantos – Parte I: Refúgio, de Leandro Goddinho
Preciso dizer que te amo, de Ariel Nobre
Rindo à toa: Humor sem Limites, Claudio Manoel, Alvaro Campos, Alê Braga 
Rogéria Senhor Astolfo Barroso Pinto, de Pedro Gui
Sempre verei cores no seu cinza, Anabela Roque
Sócrates, Alex Moratto 
Tinta bruta, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher
Vigia, João Victor Borges

Expectativa 

Carmen & Lola, de Arantxa Echevarria
Rafiki, de Wanuri Kahiu
Skate Kitchen, Crystall Moselle 
Terra firme, Carlos Marquéz-Marcet

Panorama 
Amor até as cinzas, de Jia Zhan 
A pé ele não vai longe, de Gus Van Sant 
A quietude, de Pablo Trapero 
Colette, de Wash Westmoreland

Conquistar, amar e viver intensamente, de Christophe Honoré 

O mau exemplo de Cameron Post, de Desirée Akhavam

Première Latina

José, Li Cheng
O anjo, Luis Ortega

Midnight 

As filhas do fogo 
Buddies 
Faca no coração 
Selvagem, de Camille Vidal-Naquet 

Midnight DOCS 

Game girls, de Alina Skrzeszewska  
Matangi/ Maya/ M.I.A., de Stephen Loveridge 
Obscuro barroco, de Evangelia Kranioti 

Itinerários Únicos 
Studio 54, de Matt Tyrnauer 
Westwood - punk, ícone, ativista, de Lorna Tucker




Voltar
SESC GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA CULTURA ANCINE FSA BRDE CIMA CANAL BRASIL CANAL CURTA ADORO CINEMA IEH TELECINE GLOBO FILMES FIRJAN CAIXA SEGURADORA PETROBRAS LEI DE INCENTIVO A CULTURA